Dicas para gráficos

Data:

dicas-graficos-1

Dicas para fazer gráficos mais claros e informativos

 

A comunicação de qualquer tipo de informação passa pelo seu próprio objetivo: o que você gostaria que o leitor/ouvinte/platéia entenda? Para isso é preciso um exercício de empatia e entender as peculiaridades da próprio percepção humana. Afinal, somos animais que evoluíram para perceber rapidamente padrões - e alguns padrões são mais rapidamente percebidos do que outros.

 

Gráficos de pizza (ou pie charts) são muito utilizados - principalmente por serem atraentes visualmente para algumas pessoas. Porém, nós seres humanos temos mais dificuldade em detectar diferenças baseadas em ângulos do que em linhas retas e essa dificuldade aumenta com o número de categorias. Com a mesma ocupação de espaço podemos mostrar os mesmos dados - de votos em uma eleição, por exemplo - em gráficos de barras. E até ordená-los. Assim, nossa intenção de expor os candidatos mais votados fica mais clara e mais rápida para o leitor.

 

Porém, para a visualização de dados oriundos de amostras em populações - que trazem consigo variabilidade - os gráficos de barra acabam sendo menos informativos que os temidos box plots. Os gráficos de barra trazem a noção de um início comum (o valor zero) e seu limite superior normalmente é definido como a média. Os box plots conseguem, dentro do mesmo espaço, incluir informações adicionais sobre a distribuição dos dados na amostras - mediana, valores máximo e mínimo, quartis e outliers - e podem ser mais úteis para a exploração de dados.

 

Quer saber mais?

 

https://www.nature.com/collections/qghhqm/pointsofsignificance - Points of Significance: excelente, completa e obrigatória série da Nature sobre noções de estatística para as ciências naturais. 

http://blogs.nature.com/methagora/2013/07/data-visualization-points-of-view.html - Points of View: excelente, completa e obrigatória série da Nature sobre visualização de dados. 

https://www.nature.com/articles/nmeth.2807 - Bar charts and box plots - Marc Streit & Nils Gehlenborg - Nature Methods volume 11, page117 (2014)

Última atualização: Nov. 4, 2020, 11:02 p.m.

Posts Relacionados